Celebrando o Natal com humildade

O cântico de Maria ao visitar Isabel começa assim: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, porque contemplou na humildade da sua serva” (Lc 1.46-48).  Prendi-me no termo “humildade” e acabei me perguntando: O que é celebrar o Natal com essa qualidade?

Lutero, ao comentar o cântico de Maria, diz que a Mãe de Jesus não aponta para a sua própria virtude ao falar em humildade, pois “diante de Deus ninguém pode vangloriar-se de alguma coisa boa sem cometer pecado e expor-se à perdição”, mas ela reconhece a graça, o amor e a misericórdia de Deus em sua vida.  Assim, a verdadeira humildade está no fato de o Filho de Deus, por meio de quem o Universo foi criado (Cl 1.16), se tornar um ser humano no ventre de Maria, nascer em extrema pobreza e morrer na cruz. “Por isso Deus deu a Jesus a mais alta honra e pôs nele o nome que é o mais importante de todos os nomes” (Cl 2.9).

Aí está o ponto: a humildade é a virtude suprema, que somente Deus conhece.  Woody Allen dizia: “O que o mundo mais precisa são de pessoas humildes!” E arrematava: “De fato, existem poucos que nem nós!” Pois é: só o mais arrogante é que pode se orgulhar da sua humildade.  A verdadeira humildade nunca sabe que é humilde, pois ela não olha para si. Por isso Maria louvou Deus seu Salvador com espírito desinteressado e puro.

O que é celebrar o Natal com humildade? Maria, na ideia de Lutero, ensina duas lições: 1) Cada um deve preocupar-se com as coisas que Deus faz com ele, mais do que com todas as obras que Deus realiza em outros; 2) Cada um deve ser o primeiro no louvor de Deus e divulgar as obras de Deus realizadas nele. As lições são boas para a celebração do Natal.  Vai acontecer que nosso coração se encherá de alegria e nosso testemunho exaltará os feitos de Deus não só na nossa vida, mas também na vida das outras pessoas.

Abençoado Natal!

Edgar Lemke