A queima do Alcorão

Fez barulho o pastor Terry Jones com os seus 50 fiéis da igreja americana Dove World Outreach Center com a ameaça de queimar 200 exemplares do Alcorão – livro sagrado do Islã – no dia 11 de setembro, para marcar o aniversário da queda das Torres Gêmeas protagonizada por terroristas islâmicos.

Líderes mundiais se manifestaram contra a ameaça, com o temor de que desperte a ira no mundo islâmico e novos atos terroristas aconteçam.

Do ponto de vista do marketing o pastor Jones deu de goleada. Tanto que a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, desabafou: “Somos um país de mais de 310 milhões de pessoas. É triste que um pastor com uma igreja de não mais de 50 pessoas possa  ter esse plano absurdo e conquistar a atenção do mundo”.

E do ponto de vista cristão como encarar a ameaça desse pastor?

Certo dia Jesus disse: “Eu vim para por fogo na terra e como eu gostaria que ele já estivesse aceso!” (Lucas 12.49). Estas palavras não se restringem a 200 livros religiosos. Elas fazem referência a terra e foram proferidas após Jesus contar a parábola do servo fiel e do infiel.  De que fogo Jesus está falando?

Há um relato no evangelho de Lucas que pode iluminar esta questão. Quando Jesus foi rejeitado pelas pessoas de um povoado da Samaria, os irmãos Tiago e João não se conformaram e disseram: “O Senhor quer que a gente mande descer fogo do céu para acabar com estas pessoas”? (Lc 9.54). Aí Jesus os repreendeu porque ele não veio para destruir o mundo e, sim, salvá-lo, mesmo que lhe custasse a morte na cruz. Este era o batismo que tinha de receber e tanto o afligia (Lc 12.50).

O Cristianismo é a religião da liberdade, pois Cristo garantiu: “Se o Filho os libertar, vocês serão, de fato, livres” (Jo 8.36). A arma para colocar fogo na terra é a sua Palavra. “Não é a minha palavra fogo, diz o Senhor? (Jr 23.29). É com essa “espada do Espírito” (Ef 6.17) que podemos atacar os inimigos de Cristo e transformá-los em discípulos.

Sob este ponto de visto, a ameaça do pastor Jones foi gol contra.

Edgar Lemke

Deixe um comentário