Será que quem gritou “crucifica-o!” no julgamento de Jesus foi pro céu?

— E agora, quando o dono da plantação voltar, o que é que ele vai fazer com aqueles lavradores? Eles responderam: — Com certeza ele vai matar aqueles lavradores maus e vai arrendar a plantação a outros. E estes lhe darão a parte da colheita no tempo certo. (Mateus 21.40-41)

A parábola desse domingo está mais para uma tragédia grega do que uma parábola de Jesus, né? Termina com um filho morto e lavradores malditos.

Creio eu que Jesus não ficou muito satisfeito com este final por isso ele cita o Salmo 118 quando diz: Vocês não leram o que as Escrituras Sagradas dizem? “A pedra que os construtores rejeitaram veio a ser a mais importante de todas. Isso foi feito pelo Senhor e é uma coisa maravilhosa! ” Jesus deixou claro aqui que o destino daqueles na parábola não precisa ser o nosso destino.

Assim como a pedra que os construtores rejeitaram se tornou a pedra angular, o próprio Jesus não permaneceu rejeitado. Embora Jesus tenha morrido em rejeição pelo seu próprio povo, Ele não permaneceu na sepultura. Ele ressuscitou dos mortos para se tornar a pedra angular que é o fundamento da nossa igreja e das nossas vidas. Pela graça de Deus, nem mesmo os lavradores maus precisam ser condenados.

Pergunta: Será que quem gritou “crucifica-o!” no julgamento de Jesus foi para o céu?

Pois bem, eu não ficaria surpreso de encontrar uns lá no céu. Eu não ficaria surpreso se depois daquilo eles ouvissem a pregação dos Apóstolos e recebessem o dom da fé pelo Espírito Santo e/ou fossem batizados. Eu não ficaria surpreso se eles, por meio da fé naquele que eles mesmos mandaram crucificar, estivessem nesse exato momento louvando a Deus lá no céu e nos recebessem quando nosso dia também chegar.

A graça de Deus é para todos e o tempo da graça é agora. O tempo da colheita já começou. Deus está sempre nos enviando seus mensageiros, seja por pílula, seja por gota, email, áudio, vídeo, encontro online, culto presencial, culto online, sacramentos…

E se a colheita já começou, como estão os frutos dessa colheita?

Otto Neitzel