Tempo da (Des)Graça

Eu me lembro de pequeno quando peguei catapora. Estava claro, escancarado, ficava evidente que com aquela coceira toda, com todas aquelas bolinhas na pele eu estava com catapora. Aquilo tudo era sintoma de alguém que estava com uma doença contagiosa e não podia ir para a escola. Assim como é complicado saber quem está ou não com o Covid-19, é mais complicado ainda, se não impossível, saber quem é joio e quem é trigo.

Quando os empregados perguntam ao patrão se era para arrancar o joio que estava brotando lado a lado com o trigo, o patrão logo responde: “Não! Não arranca não!”, “porque, quando vocês forem tirar o joio, poderão arrancar também o trigo. Deixem o trigo e o joio crescerem juntos até o tempo da colheita. Eis o tempo da graça!

Tem vezes que somos como os trabalhadores querendo arrancar logo o joio do meio da plantação. Ou como os discípulos que pediram para Jesus mandar fogo do céu sobre os Samaritanos que não o receberam. Vamos olhar para dentro, será que conseguimos arrancar o joio de dentro dos nossos corações?

Se pudéssemos de fato arrancá-lo, Jesus não precisaria ter morrido por nós. Bastaria ele nos dar uma lição de moral ou uma fórmula de comportamento piedoso e isso teria sido suficiente.

Ser joio é parecer uma coisa que não é. De longe um joio parece bom trigo, mas de perto ele é vazio e sem fruto. Um detalhe interessante: quando chega a época da colheita, o joio fica se mostrando por cima da plantação enquanto o trigo fica encurvado pra baixo. Quando chega essa época, por causa do peso de suas espigas, o trigo se curva para baixo, mas o joio, como não produz nada, fica despontado por cima da plantação. Assim fica bem mais fácil separar o joio do trigo na época da colheita.

Essa separação se dará no dia do juízo final. O juízo final será cheio de surpresas. Ali acabará esse tempo da graça que vivemos hoje. E eu quero abrir um parêntesis aqui: (esse tempo que se parece mais um tempo da desgraça, para nós cristãos é o tempo da graça. É o tempo que o dono da plantação com seu amor e paciência dá. Fecho parêntesis.)

Mas quando chegar o dia do juízo final, não vai ter nem acréscimos, nem prorrogação. O joio será lançado na fornalha acesa, mas ao trigo Jesus dirá: vinde benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo (Mt 25.34)

Otto Neitzel