Ceia de Natal 2015

Tem gente aproveitando o Black Friday para incrementar a Ceia desse Natal. Também, com a disparada dos preços numa inflação anual que chegou aos dois dígitos, é preciso pesquisar muito antes de canalizar o dinheiro para a compra certa. E na ceia desse ano, o que parece que não vai faltar são os tais “smartphones”. A etiqueta está sugerindo até o lugar onde o celular deve ser colocado na mesa: ao lado direito do prato imediatamente após os talheres.

Na hora da Ceia nem vai haver tempo para os abraços. Cada qual irá tirar uma fotografia da mesa farta e, com uma “selfie”, passar para os seus grupos no Whatsapp. É possível que algumas pessoas fiquem tão distraídas a ponto de se esquecer da Ceia e, principalmente, do verdadeiro motivo desse encontro.

Mas dá para imaginar um Natal bem interessante. As pessoas podem compartilhar com áudio e som, não só esse momento familiar, mas também a participação da família no Programa de Natal e enviar para quem não vai mais à igreja nem no Natal. E uma vez que esse tempo é um período de sensibilidades à flor da pele, quem sabe um recado desses pode reacender a fé na Palavra que “se tornou um ser humano e morou entre nós, cheia de amor e de verdade” (Jo 1.14).

O tempo de Advento é para nos prepararmos para o Natal. Advento é uma palavra que quer dizer vinda, chegada, significando que estamos num tempo de espera. Esperamos Aquele que virá para julgar vivos e mortos, como confessamos no Credo Apostólico. Precisamos nos preparar para essa vinda mais do que nos preparamos para a Ceia. Jesus nos avisa para esse preparo: “Vigiem e fiquem alertas, pois vocês não sabem quando chegará a hora” (Mc 13. 33).

Jesus deu algumas pistas para nos fazer vigilantes. Uma delas é que o evangelho seria anunciado a todos os povos (Mc 13.10). Eu acho que o Mestre estava falando da Internet nesse aviso. Logo, segundo os futuristas, todos estarão conectados à Internet sem perceberem, e este instrumento de comunicação possibilitará que simultaneamente todos tenham o evangelho à disposição.

Não me importa que o smartphone faça parte da próxima Ceia de Natal, desde que sirva de instrumento para unir as pessoas e divulgar o Presente do Natal que o Pai do céu nos enviou.

Edgar Lemke