Pentecostes

Nesse domingo encerra-se o primeiro semestre do Calendário Eclesiástico com uma das três grandes festas da Igreja Cristã: Pentecostes – a festa dos 50 dias!

O nascimento de Jesus no Natal, sua ressurreição na Páscoa e a descida do Espírito Santo no Pentecostes marcam a intervenção de Deus no nosso mundo, com um poder como no dia da Criação.

No dia de Pentecostes o Espírito Santo, a terceira Pessoa da Trindade, emprega toda sua energia para a expansão da Igreja de Jesus Cristo aqui na terra e, como resultado direto dessa ação graciosa, três mil pessoas que foram batizadas. Agora os discípulos, de fato, compreenderam o que Jesus havia dito quando ainda estava com eles: “Quando o Espírito da verdade vier, ele ensinará toda a verdade a vocês” (Jo 16.13).

Num estudo da carta aos Romanos, o teólogo Franzmann diz que precisamos lembrar-nos do poder criativo do Espírito Santo, pois Ele é ativo na criação do mundo, na vida e obra salvadora de Jesus e no testemunho dos apóstolos. Esse Teólogo conclui: “Em toda parte onde as possibilidades do homem se esgotam e iniciam as possibilidades criadoras livres e soberanas de Deus, encontramos a presença e a operação do Espírito Santo”.

Ainda hoje se deve levar muito a sério o que os cristãos testemunharam nas ruas de Jerusalém naquele dia diante de turistas de quinze nacionalidades, pois a profecia está em andamento até chegar o fim dos tempos. Sem a ação do Espírito Santo continuaríamos inimigos de Deus, cegos e mortos espiritualmente (1 Coríntios 2.14).  Mas pela ação do Espírito Santo podemos confessar que Jesus é nosso Senhor.  Onde a Palavra de Deus é anunciada existe a promessa da presença do Espírito Santo para nos chamar, iluminar e capacitar com os seus dons a fim de crermos no Salvador Jesus e vivermos em novidade de vida, praticando as obras do Espírito que, segundo a carta aos Gálatas são: amor, alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade, domínio próprio (Gl 5.22).

        Edgar Lemke