Prá trás nem para pegar impulso

Tem rodado no Youtube um vídeo interessante do professor de filosofia da USP, Clóvis de Barros Filho, intitulado “Para ser Feliz”. Lá pelo meio do vídeo ele cita uma frase que seu pai seguidamente lhe dizia: “Prá trás nem para pegar impulso”.

Coisa idêntica o escritor da carta aos Hebreus registra ao falar do grande feito do Salvador que celebramos nessa Semana Santa e da nossa atitude frente a esse mistério divino: “Nós não somos gente que volta atrás e se perde. Pelo contrário, temos fé e somos salvos” (Hb 10.39).

O escritor de Hebreus compara o culto de sacrifícios do Antigo Testamento com o culto cristão, que celebra a morte e ressurreição de Jesus. O culto de sacrifícios do Antigo Testamento era sombra do sacrifício de que Cristo realizou. O sacerdote oferecia muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca poderia tirar pecados. “Porém Jesus Cristo ofereceu só um sacrifício para tirar pecados, uma oferta que vale para sempre, e depois se sentou do lado direito de Deus” (10.12). Por causa da morte de Jesus na cruz nós temos o perdão e completa liberdade de chegar diante do Pai celeste e conversar com ele em oração.

O que estava acontecendo com alguns hebreus cristãos? Eles estavam indo prá trás, mas não para pegar impulso. Na verdade, eles estavam caindo fora! Não aguentavam as perseguições, os insultos e os maus tratos. Com essa atitude eles se colocavam debaixo da ira de Deus. O escritor alertou: “E o que acontecerá com quem insulta o Espírito do Deus, que o ama? Imaginem como será pior ainda o castigo que essa pessoa vai merecer!” (10.29).

E conosco, o que está acontecendo? Páscoa ainda é tempo de arrependimento, reflexão e louvor, ou só um feriadão? Por causa da morte de Cristo, o escritor nos anima a chegarmos perto de Deus com um coração sincero e uma fé firme (10.22); guardarmos firmes a esperança da fé que professamos (10.23); fazermos o bem uns aos outros (10.24); não abandonarmos nossa congregação como alguns estão fazendo (10.25).

Enfim, prá trás nem para pegar impulso! Como disse o escritor: “Nós não somos gente que volta atrás e se perde. Pelo contrário, temos fé e somos salvos”.

     Abençoada Semana Santa.                                                                                                              Edgar Lemke