“Somos Todos Corruptos”

Este foi o título do artigo publicado na ZH pela jornalista Letícia Duarte no dia 10 de fevereiro. Ela sugere lançar uma campanha no Brasil com esse slogan, assim como os franceses usaram o slogan “Somos todos Charlie” em sua luta pela liberdade de expressão.

A lista de corruptos e envolvidos em escândalos no nosso país não tem fim. A patrulha denuncia a petrorroubalheira que diz que é culpa dos “petralhas” que acha um grupo de petistas que diz que tudo começou bem antes e apontam o dedo à “tucanalha”. E por aí vai…

Sim. Isso tudo começou bem antes. Muito antes da ditadura. Muito antes da monarquia. Muito antes de Cabral nascer. O primeiro casal na face da terra já apontava o dedo um para o outro. Depois dali a lista de corruptos e envolvidos não parou de crescer e não vai parar até o último dia.

Infelizmente, no nosso caso, não existe delação premiada. A única delação premiada é quando nós, através da Palavra e poder do Espírito Santo, reconhecemos a nossa corrupção e nos apegamos no perdão que Cristo oferece.

Somos todos corruptos? Sim, afinal de contas, todos pecaram e carecem da glória de Deus (Rm 3.23). Mas não precisamos estampar isso numa camiseta. Ficar indignado com a corrupção que assola nosso país por um lado é bom e ajuda a lutar pelos nossos direitos e a pensar melhor na hora de votar.

Mas nos alegrar pelo que Deus em Cristo fez por nós, é muito melhor: Nós nos alegraremos e cantaremos um hino de louvor por causa daquilo que o SENHOR, nosso Deus, fez. Ele nos vestiu com a roupa da salvação e com a capa da vitória (Is 61.10).

Otto Neitzel