Direito de Ser Esquecido

O título da manchete era: Tribunal europeu decide a favor do “direito de ser esquecido” no Google.

O processo foi aberto por um espanhol, Mario Costeja González, que apresentou queixa depois que a Google recusou um pedido para eliminar informações pessoais que apareciam na versão online de um jornal espanhol vários anos depois de a disputa legal ter sido resolvida. A Google se disse decepcionada com a decisão do tribunal.

Uns dizem que a internet é como se fosse uma enorme biblioteca e a ferramenta de pesquisa como se fosse um bibliotecário. Sem a ajuda desse bibliotecário, em uma biblioteca com incontáveis livros, achar um livro ou qualquer outra informação é praticamente impossível. O Google vai ser obrigado a “se esquecer” do Sr. Mario González. Logo, ele também perderá o seu direito de ser lembrado.

Quem não quer um direito desses? Isto é o que mais queremos quando a nossa reputação está manchada. Mas na hora de ganhar presente, todo mundo quer ser lembrado, né?

Na Bíblia, a manchete é diferente. Deus não se esquece de nós, mas apenas daquilo que nos afasta dele. Ele mesmo diz: Eu sou o seu Deus e por isso perdoo os seus pecados e os esqueço. (Is 43.25) Será que uma mãe pode esquecer o seu bebê? Será que pode deixar de amar o seu próprio filho? Mesmo que isso acontecesse, eu nunca esqueceria vocês. (Is 49.15)

Nós é que temos a tendência de nos esquecermos dele. Queremos nos esconder atrás dos nossos muitos pecados e fugir para bem longe da sua Palavra e Sacramentos. Por isso precisamos ser diariamente lembrados que o Bom Pastor não se esquece de nenhuma de suas ovelhas. Para Ele, nós não somos apenas mais um nome na internet para ser pesquisado.

Que possamos sempre nos lembrar do exemplo do malfeitor na Cruz e suplicar todos os dias: Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino”. (Lc 23.42)

Otto Neitzel