Família Feliz

Celebraremos domingo o Dia das Mães. A data sempre merece reflexão sobre a pessoa da mãe. E quero fazê-la no contexto da família. Isto não significa demérito às mães, mas valorizá-las no contexto desta instituição criada por Deus, mas bastante abalada em nossos dias. Creio que falar de mãe é falar de família.

O Salmo 33.12 afirma: “Feliz a nação cujo Deus é o Senhor”. Ousei adaptá-lo para: “Feliz a família cujo Deus é o SENHOR”. Este é um salmo de louvor ao Criador e Preservador de todas as coisas, também da família e seus integrantes, dentre estes, as mães.

Junto com palavras de louvor o Salmo traz uma orientação à nação de Israel. Ela seria feliz tendo a Deus como o Senhor. Quando O abandonava passava por sofrimentos. Também suas famílias. Por isso essa recomendação importante para o povo de Deus tem valor para nossa nação e nossas famílias ainda hoje.

Dizemos que vivemos num Estado laico, ou seja, em benefício da liberdade religiosa, nossa nação não segue uma religião. Mas fomos além. Tiramos Deus da vida da nação, das escolas, da política, da justiça, da juventude, das relações entre capital e trabalho. Alguns querem tirar Deus até da Igreja. E o que conseguimos? Injustiças, corrupção, miséria, drogas, violência, falta de bons sentimentos, famílias sendo destruídas. Parece que não ganhamos muito com a decisão de se tirar Deus da vida em sociedade. E ficamos assim: Triste a nação sem Deus, o SENHOR.

Mas o problema é quem compõe a nação. Ela é composta por todos nós e nossas famílias. Como anda a família?  Observando a realidade vemos que também a família tem abandonado o Senhor. Muitas famílias vivem uma religiosidade sincretista e idólatra, sem conhecimento, vazia. Assim, se repete na família os problemas da nação sem Deus: ausência de fé, álcool e drogas, violência doméstica, separações, abusos, filhos sem um ou ambos os pais; crianças sendo mães, jovens sendo induzidos a se prostituir, etc. Conclusão: Triste a família sem Deus, o SENHOR.

E o pior é que estas situações atingem também as famílias cristãs. Também estas tem enfrentado o esfriamento da fé, a invasão das drogas, a separação conjugal e vivido sob sofrimento. Uma nação sem Deus produz famílias sem Deus e pressiona as famílias cristãs a quase igual desespero. Por vezes não se vê diferença entre uma e outra. Mas há. Na família cristã há fé no SENHOR, seu Deus. E Dele vem esperança e a coragem para lutar pela família, pelos filhos; a agir corretamente, a ter e a ensinar valores conforme a orientação de Deus. Nela há amor incondicional que se compromete e luta pelo que sofre, sofrendo junto ou até mais.

Por isso, “Feliz a Família cujo Deus é o SENHOR”. É isso que queremos reforçar neste dia das mães. E lembrar que Deus nos criou para vivermos na sua presença. Ele quer cuidar de nós e de nossa família. Ele se utiliza da nossa família para estender seu cuidado a nós seus filhos, e por fim a toda a nação. Através da família e do exemplo e oração da mãe, ele chama para a fé; Ele aponta valores que dignificam o ser humano, a família e a nação inteira. E mesmo diante do nosso fracasso, Deus se faz presente. Ele sempre vai além de nós próprios e dispõe-se a ser o SENHOR e SALVADOR, nosso, de nossas famílias e de toda nação.

Deus enviou Jesus para estar junto de cada nação e família. Ele amou a cada família e deu o seu filho unigênito para que a família toda creia e tenha vida. Vida digna, cheia de fé, amor, tenha a vida eterna. Jo 3.16. Com o sangue de Jesus, ofertou-nos o perdão tão necessário para a sobrevivência da/na família. Ele reafirmou a esperança de vivermos na sua presença, um dia, quando ele nos enxugará dos olhos toda lágrima(Ap. 22.1ss). As mães que tem o Senhor Deus em seu coração continuarão dando seu testemunho de fé e amor aos seus filhos e família, para que eles também tenham a Deus, o Senhor, em seu coração. Feliz a mãe que corajosamente continua falando e orando pela sua família, colocando a todos, inclusive a nação, sob os cuidados do Salvador. Amém. Feliz dia das mães e abençoada semana.

Pr José Daniel Steimetz.