Condomínio Espiritual

Fui eleito subsíndico na última reunião do nosso condomínio, com a perspectiva de, no próximo ano, virar síndico.  Essa eleição me trouxe à lembrança um trabalho muito bem feito pelo colega Sérgio Renato Flor num dos cursos de pós- graduação em Teologia no Seminário Concórdia.   Como o tema geral era o Conceito de Igreja em Lutero o Sérgio apresentou um trabalho no qual o Reformador comparava a Igreja a um condomínio moderno.

Onde Lutero se inspirou para fazer esta comparação? O termo “condomínio” vem das antigas tradições romanas e foi usado desde o século XVI para descrever o governo de um território por dois príncipes, cada um deles investido de autoridade.

Hoje, um condomínio constitui-se num prédio comum a todos com várias unidades particulares. Todos devem zelar pelo que é desfrutado por todos e as unidades particulares ficam sob a responsabilidade de seus moradores. Embora haja muitos elementos de um condomínio que podem ser comparados à Igreja, fixo-me nestes pontos:

1. Os anúncios de venda dos novos condomínios destacam a área comum a todos, chamando-a de “fração ideal”, deixando a metragem das unidades em plano secundário.  Isto até colabora na analogia.  A “fração ideal” do condomínio espiritual é o Evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo. Sim, os Meios da Graça (Palavra e Sacramentos) são o jardim, o salão de festas, as passarelas, pelos quais todos devem zelar.

2. Os condôminos elegem seus representantes para, em seu lugar, supervisionar, representar publicamente e zelar pelo todo. Da mesma forma, todos os cristãos pertencem ao sacerdócio real e são ministros. Entretanto, escolhem pessoas para serem pastores e diretoria, cada qual com sua função.

3. Um condomínio tem custos para sua manutenção, além das despesas próprias a cada unidade. Um valor mensal é estabelecido e, de vez em quando, é preciso uma chamada extra. Se algum condômino não paga sua conta, isto fica pesado a todos os demais.  O condomínio espiritual conta com o apoio financeiro de todos (oferta). E como fica pesado quando alguns não participam regularmente!

4. A incorporadora desse condomínio espiritual é o Senhor Jesus Cristo – o DOMINUS, a quem tudo pertence. No fundo somos apenas inquilinos. Mas inquilinos escolhidos a dedo, agradecidos e participativos, que gostam de viver con-Domino, isto é, com o Senhor.

Edgar Lemke

Deixe um comentário