A Esperança dos Justos

(O colega Adilson Schunke colocou na sua página um texto de Lutero a propósito de seu aniversário de nascimento (10/11/1483). Achei oportuno reproduzir nesse período do Ano Eclesiástico quando somos levados a refletir sobre a Segunda Vinda de Cristo.)

Leia em sua Bíblia: Pedro-II 3.8-13
Deus nos cansa da vida

“A esperança dos justos é alegria” (Pv 10.28)

Se, nesse entretempo, o mundo nos impõe toda sorte de tormento e tristeza, e nos brinda com uma bebida amarga, para não falar das outras coisas, como acidentes, doenças, peste, tempos difíceis, guerras que nos assolam diariamente e machucam o corpo ou o homem exterior, temos de suportar tudo isso, morder na maçã azeda e provar a bebida amarga. Assim, o doce que vem depois, será tanto mais gostoso, e isso fará com que esperamos com muito mais ansiedade por aquele dia. Não fosse assim, continuaríamos vivendo daquele jeito: frios e insensíveis, e, a exemplo do mundo seguro de si mesmo e obstinado, acabaríamos não mais nos dando conta de nossa miséria, faríamos pouco caso da palavra de Deus e teríamos de ser condenados juntamente com os ímpios. Mas, agora, Deus concede a graça de nos cansar e deixar fartos da vida, e nos consola com uma vida melhor, a saber: em breve, ele virá sobre as nuvens, com grande poder e glória, levando-nos desta miséria para junto de si, em eterna alegria, de sorte que, no que diz respeito a nós, nada melhor ou mais desejável poderia acontecer. Mas, para os ímpios, aquela não será, de maneira nenhuma, uma cena feliz.

Martinho Lutero
Cfe Castelo Forte 10 Novembro 1983

Deixe um comentário