Se arrependimento matasse!

Ah, se arrependimento matasse! Quem nunca ouviu esta frase antes? Ou quem será que nunca disse isso?

Uma tatuagem com o nome de uma ex-namorada, um corte de cabelo que não ficou muito bom, uma compra que nos deixou decepcionados, um político que nos traiu em sua campanha… São muitas as situações em que essa frase é usada.

Arrependimento foi o foco no culto de Quarta-feira de Cinzas. Ali, em preparação ao tempo de Quaresma, nós recebemos em nossa fronte o sinal da cruz no rito das cinzas. Foi um culto que nos preparou para o período em que queremos voltar nossos olhos e corações para tudo aquilo que nosso Salvador Jesus padeceu em nosso lugar e como ele, com sua ressurreição, venceu a morte.

As cinzas nos fazem pensar sobre humildade e arrependimento, tudo aquilo em que as pessoas da época de Lutero não tinham mais necessidade de pensar. Afinal de contas, elas tinham como adquirir um papel assinado pelo próprio Papa como que dizendo que arrependimento era coisa do passado. Ainda existe pensamentos muito parecidos com esses. Uns pensam que arrependimento é algo desnecessário, ou quem sabe até, algo que se faz apenas uma vez na vida – quando resolvemos aceitar Jesus e nos deixar ser batizados.

A primeira tese que Lutero afixou na porta da Igreja de Wittenberg é essa: “Dizendo nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo: Arrependei-vos …, certamente quer que toda a vida dos seus crentes na terra seja contínuo arrependimento.”

Ah, se arrependimento matasse! Esse arrependimento que Lutero fala é um arrependimento que mata.  É aquele arrependimento que afoga o velho homem em nós e faz com que ele morra com todos os pecados e maus desejos. E, por sua vez, faz sair e ressurgir novo homem, que vive em justiça e pureza diante de Deus para sempre. E isso tudo é obra de fé.

Contínuo arrependimento tem a ver com se apegar à Palavra de Deus como sendo o nosso tesouro mais preciso, em outras palavras, é buscar em primeiro lugar o reino de Deus. Arrependimento não é obra de justiça para ser vista e elogiada pelos homens, mas uma mudança de mente que nos leva de volta a Cristo e sua Palavra, seu corpo e sangue, como sendo a única coisa necessária para nós.

Que Deus Espírito Santo nos capacite a vivermos uma vida de arrependimento diário na certeza do perdão e vida eterna com Cristo. Amém.

Otto Neitzel