Saber sofrer é viver?

“Oi, tudo bem?”  Quase sempre respondemos “Tudo bem” mesmo quando, muitas vezes a resposta poderia ser “Tudo bem mal”.  Será por excesso de otimismo, resignação fatalista, ou esperança de que todas as coisas tem um propósito?

O que é saber sofrer?  Muitos cruzam os braços parecendo exigir que as coisas melhorem num paço de mágica. Outros calçam botas impermeáveis e procuram atravessar os lodaçais que a vida propõe.  Mesmo que muitos não gostem de admitir que o sofrimento faça parte da vida, na verdade , isso só acaba por aprofundar ainda mais seu sofrimento.

Poucos exemplos recentes são tão fortes quanto os do ex-vice-presidente Alencar que, depois de cada uma das quase 20 cirurgias, mostra um sorriso sereno e se manifesta com palavras de confiança e esperança que ultrapasssam os limites da vida.  E não é por teimosia.  A mensagem que ele parece estar passando é: “olha, gente, eu não procurei essa doença para mostrar que sou melhor do que outros. Mas quero aceitá-la como algo que pode ser maior do que eu”.  Várias vezes ele manifestou sua esperança em Deus e na vida depois da morte.

Na Quaresma  somos confrontados com um modelo de sofrimento diferente, em que um Pai pede a Seu único Filho que se submeta voluntariamente a sofrimentos infernais e, inclusive, a morte para que a humanidade  criada por ele volte a ter esperança.

Não, ele não prometeu livrar de sofrimentos. Dificuldades, desencontros, fatalidades iriam continuar fazendo parte, com maior ou menor intensidade, das nossas vidas.  E sim, para que nestas horas possamos fazer valer nossa fé e esperança em Cristo.  A Quaresma, portanto, mais do que qualquer coisa, vem para nos ensinar que, na fé e na esperança, há espaço para a superação.  Quando a gente se apega à promessa  do Senhor da Quaresma: “Quem acredita em mim, ainda que passe pelo sofrimento da morte, VIVERÁ”,  então a gente  também aprende que    SABER SOFRER É VIVER.

Oscar Lehenbauer

Deixe um comentário