Gálatas 4.4: “Vindo, pois, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho.”

Estranha essa ideia de tratar um ano como se fosse um ser com vontade, um semi-deus, que distribuísse bens e males durante 365/366 dias e, depois, perdesse o seu poder para o ano novo, o qual traria o seu próprio saco de bondades e de maldades para distribuir ao longo dos dias de seu mandato. … Ler mais