Advento: Is 7.14-16 – Uma maravilhosa notícia!

Deus anuncia a Acaz (Rei de Judá, 735 anos A.C.) uma notícia extraordinária: “Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e lhe chamará Emanuel” (v.14).

É normal que a notícia do nascimento de uma criança alegra os pais que a aguardam ansiosamente. Isto acontece quando nasce uma criança humana. É um momento novo na família.

No entanto, a criança anunciada pelo SENHOR é um menino diferente, especial e único!

Quem é este Menino? Por que Ele é tão especial e importante?

Seu nome é “Emanuel”, que significa “Deus conosco”! Ele não é um simples humano pecador, incapaz, fraco e falível. Ele é Jesus Cristo, o próprio Deus, perfeito e santo, que tomou a forma humana para fazer o que ninguém de nós está apto a realizar: Pagar a culpa humana diante da justiça divina e promover a paz entre os pecadores e Deus. Em outras palavras, Ele se humilhou assumindo a forma de servo para, em nosso lugar, pagar com a Sua morte a culpa de todos nós. Ele derramou seu sangue inocente na cruz do Calvário em pagamento pelos nossos pecados.

Ele morreu, sim, mas não está morto! Ressuscitou! Está vivo e governa o universo!

O profeta Isaías fala dele: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Is 9.6).

Ele está conosco neste momento em que realizamos o Culto Doméstico e em todos os tempos de nossa vida, também quando passamos por momentos de dificuldades e clamamos a Ele, mesmo naqueles momentos em que achamos que ele está ausente. Que consolo e que segurança! Ele nos convida a crer e confiar em sua obra por nós e na presença Dele.

O nascimento de Jesus traz uma certeza para a humanidade: A salvação dos que, arrependidos dos seus pecados, Nele creem.

Advento é um tempo de reconhecermos os nossos pecados e de reafirmamos nossa fé, nossa confiança e esperança no Senhor Jesus Cristo.

É tempo de nos alegrarmos e proclamarmos com os anjos de Belém: “Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem” (Lc 2.14).

Rev. Martinho Sonntag
Extraído de Culto Doméstico
nº 09/2019– novembro/2019