Repartindo as cargas

                Convidei o pastor Martinho Lutero para colaborar com uma devoção familiar e ele prontamente atendeu. Olha só o que ele escreveu tendo como base Gálatas 6.2: “Ajudem uns aos outros e assim vocês estarão obedecendo à lei de Cristo”.

         A lei de Cristo é a lei do amor. Depois que Cristo nos redimiu, nos renovou e nos constituiu como a sua igreja, deu-nos nenhuma lei, a não ser a lei do amor mútuo (Jo 13.34): “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros. Assim como eu vos amei”. No entanto, amar não é querer bem ao outro, como afirmam alguns, frivolamente, mas carregar as cargas do outro, isto é, carregar aquilo que te é penoso e que não carregas com prazer.  É necessário, portanto, que os cristãos tenham ombros fortes e ossos robustos de maneira que possam carregar a carne, isto é, a fraqueza dos irmãos, pois Paulo diz que eles têm cargas e pesares. Ora, o amor é doce benigno e paciente, não em receber, mas em dar, pois é obrigado a fechar os olhos a muitas coisas e a carregá-las.

         Quando desfrutares ou quiseres desfrutar o sacramento da Santa Ceia, precisas, em contrapartida, ajudar a carregar as adversidades da comunidade. Teu coração deve, pois entregar-se ao amor e aprender que este sacramento é um sacramento do amor e que, assim como tu recebes amor e assistência, deves, por tua vez, demonstrar amor e assistência a Cristo na pessoa de seus necessitados. Pois deve magoar-te toda desonra infligida a Cristo em sua santa Palavra, toda miséria da cristandade, toda injustiça sofrida pelos inocentes. Precisas opor resistência, agir, interceder, e quando não puderes fazer mais, deves ter compaixão sincera. Vê, é isto o que significa carregar, de tua parte, a desgraça e as adversidades de Cristo e de seus santos. Então se cumpre o dito de Paulo: “Levem as cargas uns dos outros, e assim cumprirão a lei de Cristo” (Gl 6.2).  Vê, assim tu carregas a todos, e assim todos, por sua vez, te carregam, e todas as coisas são em comum, tanto as boas quanto as más. Então todas as coisas ficam leves e o espírito maligno não consegue prevalecer contra a comunidade.

Martinho Lutero
( Bíblia Sagrada com reflexões de Lutero, pg 1113)