O ódio e a Páscoa

6 de abril de 2018 by webmaster

O julgamento do ex-presidente Lula divide o Brasil em extremos sentimentos. Um perigo tremendo quando os ânimos estão acirrados e qualquer faísca pode incendiar toda a casa. Longe de nós uma guerra civil, uma revolução entre brasileiros. É bem pior do que a corrupção, crise econômica, violência dos bandidos, e de tanta coisa que nos incomoda e atrapalha a nossa vida. Não queremos exército na rua, toque de recolher, casas sendo incendiadas, bombas explodindo, gente de verde e gente de vermelho se matando. Por isto, todo o cuidado é pouco quando as paixões podem gerar uma guerra.

Tem pessoas que desejam a desordem. Querem desconstruir. Acreditam que este é o único caminho, a revolução, as armas, a violência. No entanto, a história mostra que resolver as diferenças através da agressão só traz desgraça, mais ódio, morte, fome, miséria, enfim, tudo aquilo que hoje se vê em tempo real nos países onde existe guerra civil. Não queremos entrar na lista dos 65 milhões de refugiados no mundo.

Para aqueles que celebram a verdadeira Páscoa existe um motivo bem maior para não riscar o palito de fósforo na gasolina. “Vocês foram ressuscitados com Cristo” (Colossenses 3.1), lembra Paulo às pessoas que também viviam no meio das divisões, injustiças e violência. E complementa: “Portanto, matem os desejos deste mundo que agem em vocês (…) Livrem-se de tudo isto, da raiva, da paixão e dos sentimentos de ódio”. Quando a esperança cristã aponta para a ressurreição do corpo na volta de Cristo, o apóstolo acentua que nós já somos pessoas ressuscitadas, ou seja, já temos uma nova vida em Cristo. Por isto, lembra que “já não existem judeus e não judeus”, uma divisão raivosa daquele tempo que ainda permanece hoje. “Vistam-se de misericórdia, de bondade, de humildade, de delicadeza e de paciência”, sublinha o texto bíblico ao tratar dos resultados da Páscoa. Sem dúvida, é tudo o que precisamos nestes tempos de tanto ódio.

 Marcos Schmidt – pastor em Novo Hamburgo
marcos.ieb@gmail.com

 

Comments are closed.