Carta ao Joãozinho

11 de outubro de 2017 by edgar-lemke

Para marcar o Dia da Criança copio uma carta de Lutero ao seu filho Hans escrita quando ele estava um bom tempo longe de casa acompanhando as negociações para a realização da assembleia de Augsburgo (1530), na qual os luteranos apresentaram por escrito o que estavam defendendo. Como a tarefa dos pais é trazer o céu para os filhos, essa carta serve de inspiração. Nela está presente o mundo da criança e o céu é descrito com detalhes que são bem familiares a elas. Abençoado Dia da Criança.
Edgar Lemke

Meu querido filho, fico contente de ver que está estudando bastante e ora com dedicação. Faça isso, meu filho, e continue assim. Quando eu voltar para casa, quero trazer um bonito presente para você. Eu conheço um jardim muito lindo e divertido, onde andam muitas crianças, vestidas de roupa dourada e que recolhem bonitas maçãs debaixo das árvores, e peras, cerejas, nêsperas e ameixas, cantam, saltam e estão contentes. Também têm belos cavalinhos com arreios de ouro e selas de prata. Então perguntei ao dono do jardim, de quem seriam as crianças. Ele respondeu: “São as crianças que gostam de orar, aprender e de ser devotas”. Então falei: “Caro Senhor, eu também tenho um filho, chamado Joãozinho Lutero. Será que ele também não poderia entrar no jardim, para que também pudesse comer essas belas maçãs e peras e andar com esses cavalinhos tão bacanas e brincar com essas crianças?” Ao que o senhor respondeu: “Se ele gosta de orar, aprender e de ser devoto, ele também pode entrar no jardim. O Lipe e o Justo (filhos de Filipe Melanchthon) também. E quando vierem todos, também eles vão assobiar, e ter tambores, alaúdes e toda espécie de instrumentos de corda, e também vão dançar e atirar com pequenos arcabuses”. E lá ele me mostrou uma joia de gramado no jardim, especialmente para dançar; ali havia apitos e tambores de puro ouro e excelentes arcabuses de prata. Mas ainda era cedo, as crianças ainda não tinham feito a refeição, de sorte que não pude esperar pela dança, e falei àquele homem: “Ah, caro Senhor, quero ir bem ligeiro e escrever todas estas coisas para o meu querido filho Joãozinho, para que estude com muita aplicação, ore bem e seja devoto, para que também ele entre neste jardim, Mas ele tem uma tia Lena, essa ele tem que trazer junto.” Então o homem falou: “Tudo bem, vai lá e escreve isso para ele”.
Portanto, querido Joãozinho, estude e reze sem vacilar e diga isso a Lipe e Justo também, para que também estudem e rezem, que assim vocês vão entrar juntos no jardim, Deus o abençoe, e dê lembranças à tia Lena e um beijo por mim.
Teu querido pai Martinho Lutero.
(Pelo Evangelho de Cristo, Editoras Concórdia e Sinodal, 1984, p. 33

Comments are closed.