Caixinha de Correspondências

20 de abril de 2017 by otto-neitzel

Se a minha caixinha de correspondências presta pra alguma coisa, é pra receber conta.

Condomínio, água, luz, gás, telefone, internet, televisão, cartão de crédito, mensalidade, assinatura, convênio médico, boleto, IPVA, IPTU… Se o mês tem 30 dias, é capaz de ter uma conta para cada dia. O melhor mês é fevereiro que só tem 28 dias.

Raras são as vezes em que chego em casa e não tem conta me esperando na caixa do correio. Ainda mais depois que descobri que dá pra receber tudo por e-mail. Tanto faz se vem impresso em envelope ou digital por e-mail, as cobranças sempre vêm. Isso é certo!

A maior surpresa naquela manhã do domingo de Páscoa foi encontrar o túmulo vazio. Todos esperavam um corpo morto, malcheiroso e feio, mas receberam a melhor notícia da história da humanidade: Jesus ressuscitou! Os nossos pecados, nossas iniquidades e transgressões haviam sido enterrados naquela tumba com Jesus, mas quando ela é foi aberta não tinha mais nada ali.

Eu sei que toda vez que abro minha caixinha de correspondências e não tem cobrança, não é porque alguém já pagou por mim. Quem dera! O certo que uma hora a conta vai chegar. Tarda mas não falha. Mas quando o túmulo se abre na manhã do domingo de Páscoa e não tem nada ali, nós sabemos que tudo foi pago integralmente, nada nos condena mais, foi tudo lançado no fundo do mar (Mq 7.19).

A promessa de quem pagou a nossa dívida de uma vez por todas é essa: “Não lembrarei mais dos seus pecados nem das suas maldades.” (Hb 10.17)

Que benção é poder abrir a caixinha de correio todos os dias e lembrar daquele túmulo vazio e da conta impagável que Cristo pagou por nós. Eis a motivação para continuarmos sempre trabalhando, pagando as nossas dívidas e perdoando aos nossos devedores.

Oração: Ó Deus, não há outro deus como tu, pois perdoas os pecados e as maldades do teu povo. Tu não continuas irado para sempre, mas tens prazer em nos mostrar sempre o teu amor. Novamente, terás compaixão de nós; acabarás com as nossas maldades e jogarás os nossos pecados no fundo do mar. (Mq 7.18,19)

Otto Neitzel

Comments are closed.