Ezequiel 37.1-14 “Ossos secos, ouvi a palavra do Senhor”(v.4)

31 de março de 2017 by webmaster

Estamos nos aproximando da Páscoa. Domingo após domingo somos conclamados a confiar nas promessas de Deus ligadas a nossa salvação em Cristo. Isso se torna especialmente importante quando olhamos ao nosso redor, para o Brasil e para o mundo. Todos sentimos um clima de desesperança com relação a perspectivas futuras para nós e nossos filhos. Os poderes no município, no estado e no país, legislativos, executivos e judiciário desencantam. Parece que Moro e sua turma são a única coisa boa que restou.

Parecemos o vale de ossos secos, sem vida alguma, da visão de Ezequiel, que é confrontado por Deus com a pergunta: “Filho do homem, acaso poderão esses ossos reviver?”  Se nos prendermos ao que havia acontecido com Israel, nada tem solução, estamos todos exterminados. Se olharmos para a postura de Ezequiel: “Senhor Deus, tu o sabes. E Deus disse:  Profetiza a esses ossos secos – ouvi a palavra do Senhor…e vivereis”.

No plano espiritual, a nossa salvação vem de fora, não de algo que fazemos. Essa foi a grande descoberta que Lutero fez 500 anos atrás. Isso Deus já resolveu. Agora é preciso que por sua Palavra, o Espírito de Deus entre em nós e opere uma transformação: “Sabereis que eu sou o Senhor quando abrir vossas sepulturas e vos farei sair e vos farei sair dela…porei em vós o meus Espírito, e vivereis”.

No plano terreno, as coisas são um pouco diferentes. Nós não defendemos que nossos governantes tenham que ser cristãos e que o mundo seja governado pela igreja ou por cristãos. Sabemos que entre os governantes existem cristãos, os que se dizem cristãos ou, pelos menos, membros de alguma igreja cristã, e existem aqueles que se dizem agnósticos ou ateus. Até ateus como Oscar Niemeyer, quando completou cem anos, foi perguntado se acreditava em vida depois da morte. Ao que respondeu algo assim: “Sei que muitos acreditam nisso, eu não consigo, e me dói não poder acreditar”.

De qualquer forma, mudanças começam no coração e nas mentes das pessoas, independentemente de serem ou não cristãs. E mesmo que muitos governantes se digam cristãos, mas mais pareçam com aqueles ossos secos da visão de Ezequiel, sem vida, eles precisam ouvir uma mensagem que vem de fora, que poderia ser:

  1. A que Deus pediu a Ezequiel: Profetiza…ouçam a Palavra do Senhor…e viverão;
  2. Continuar fazendo o que a sociedade, o povo, nós já começamos a fazer: Tomar ações reativas e proativas… para que ouçam e percebam cada vez mais nossa inconformidade e indignação. Temos muitos bons exemplos na Bíblia sobre como fazer isso.

Deus deseja que as autoridades governem com justiça e retidão. Deus deseja que participemos da tarefa de bem governar e fazer do mundo um lugar melhor.

Jesus não viveu, sofreu, morreu e ressuscitou para sermos passivos, quer na igreja ou na sociedade. Mesmo que isso não signifique pegar em armas, fazer revoluções, fazer um jihad cristão, empunhando armas para “converter” infiéis.  Isso também não significa não fazer nada, não se engajar em movimentos, manifestações de rua, pela internet…dentro dos princípios evangélicos, que fazem parte  do nosso legado como cristão luteranos.

O que Jesus fez por nós nos mostra e ensina que PODEMOS fazer muito e, talvez, muito mais do que estamos fazendo por ele, sua igreja, pelo nosso próximo, nossa sociedade, nosso país.

Oscar Lehenbauer
pastor da IELB e
congregado da CEL da Cruz

Comments are closed.